Ex-Mulheres XIII – “O Diplomata”

fevereiro 13, 2008

Erick passou cinco anos estudando para o Instituto Rio Branco. Passou. O rapaz era inteligentíssimo e formou-se diplomata nos quatro anos propostos. Falava inglês e espanhol quando entrou, ao sair somou o francês, o russo e o mandarim a seu vocabulário. Aos 32 já havia viajado a metade dos países do globo, mas uma coisa ainda não tinha encontrado: o amor de sua vida.

Um belo dia, enquanto chegava com o carro oficial no prédio do Ministério das Relações Exteriores, deu de cara com uma passeata, ou protesto, ou o nome que se queira dar. Algumas dezenas de manifestantes reclamavam da postura pouco solidária dos diplomatas brasileiros em relação a países pobres. “Que povinho bosta”, pensou logo Erick. “Pra quê precisaria um diplomata perder seu tempo em países pobres… foda é negociar com rico, porra”!

Mas com uma coisa não contava. Ao chegar na porta do ministério, viu de canto de olho uma das meninas que estavam na multidão. Foi instantâneo, se apaixonou. Saiu correndo do carro e foi em direção ao tumulto, e disse que levaria um dos membros da manifestação para conversar. Obviamente escolheu a menina que fixara segundos antes.

Telma era o nome. Erick ficou maravilhado, embora tenha ouvido a palavra “burguês” e o vocábulo “neoliberal” dezenas de vezes. Ouviu atenciosamente e quando a menina tinha terminado, mostrou suas anotações e disse que encaminharia diretamente ao ministro o quanto antes.

A menina deu-se por satisfeita e, quando saía da sala, Erick a puxou pelo braço. “Quer sair comigo”? A donzela, atônita, demorou alguns segundo para responder. Ainda que tenha se esforçado, Telma só conseguiu proferir um “tudo bem”. Trocaram telefones.

Erick foi bastante esperto, levando a moça para jantar em um restaurantezinho bastante popular na cidade-satélite de Gama. A garota ficou impressionada que um diplomata pudesse ser tão “do povo”.

Saíram mais algumas vezes e começaram a namorar. Enquanto Telma passava a Erick suas doutrinas de responsabilidade social, ambiental e socialismo, Erick lhe ensinava política, línguas, economia e legislação internacional.

Juntaram trapos dois anos depois e viveram felizes por algum tempo. Até que Telma, já formada em Relações Internacionais, recebeu uma proposta de um instituto norte-americano. Erick a apoiou, dizendo que aceitasse a oportunidade.

Seis meses se passaram sem que Telma voltasse. As notícias rareavam e Erick entrou em depressão. Largou o ministério e decidiu seguir o legado da companheira – meteu-se em todo tipo de ativismo internacional, até que chegou à Anistia Internacional.

Alguns meses de militância depois, foi enviado aos Estados Unidos. Já eram cinco meses sem notícias de Telma. Chegando lá, descobriu que participaria de uma manifestação contra o tratamento dado a imigrantes ilegais mexicanos nos EUA. Em frente a um prédio da Imigração em Washington, ele juntou-se à turba. Em alguns minutos avistou uma limusine chegando e companheiros disseram que os adidos dos EUA para relações com o México estavam todos no carro.

O carro parou e quatro pessoas desceram. De relance, Erick pôde ver, completamente embasbacado, que Telma era uma dessas pessoas. Atropelou meia manifestação para chegar à frente da turba, no raio de visão de Telma.

Quando encontraram olhos, Erick fitou-a emocionado, quase chorando, mas Telma, embora tenha reconhecido, pareceu não despender qualquer expressão. Erick esperou que ela o chamasse, como ele havia feito anos atrás.

Telma segurou um de seus colegas pelo braço e disse algo, em seguida caminhou em direção à multidão. Erick já quase estendia seus braços… mas súbito, Telma parou em frente a um dos policiais que comandava a operação de contenção do movimento. Disse duas ou três palavras ao policial, virou-se e voltou em direção ao prédio da Imigração.

A polícia avançou e reprimiu duramente os manifestantes. Erick voltou ao Brasil mais deprimido do que nunca. Já em casa, deparou com uma única carta na caixa de correio – tinha o selo do governo norte-americano.

Abriu e leu. Em poucas palavras, numa carta que mais parecia um telegrama, Telma pedia desculpas sinceras pelo ocorrido, e dizia que tinha tido o mesmo impulso que Erick tivera anos antes, no entanto, em seu posto, jamais incorreria em tamanha falta de profissionalismo.

Anúncios

One Response to “Ex-Mulheres XIII – “O Diplomata””

  1. paulinha Says:

    que sarcasmo… que humor sórdido e ácido…

    pobre Erik…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s